Empregos para jovem aprendiz: por que ofertá-los?

Empresas são criadas pela iniciativa de empreendedores que querem fazer algo diferente. Ao conquistar espaço no mercado, o crescimento também traz alternativas de contribuir por outros meios com a sociedade, além do produto ou serviço que oferta: um deles é a chance de contratar um jovem aprendiz.

Empregos para Jovem Aprendiz são uma opção para micro e pequenas empresas, além de obrigatórios para as médias e grandes com equipe a partir de sete funcionários. O programa traz a chance de auxiliar jovens que precisam contribuir com a renda familiar ou almejam melhores possibilidades de futuro, buscando criar condições para isso.

A empresa, por sua parte, oferece vaga remunerada adaptada às realidades da Lei da Aprendizagem (10.097/2000) sendo beneficiada e promovendo mudanças em vários aspectos.

Ao continuar a leitura do post você confere mais detalhes sobre as razões do programa ser a porta de entrada para talentos na sua empresa.

Conheça o perfil do aprendiz

Focado em mudar a realidade de evasão escolar e do trabalho infantil, o programa é estruturado como um modelo de contratação focado em pessoas de 14 a 24 anos que estejam cursando o ensino fundamental ou médio.

A ideia é capacitar esse jovem com o ensino profissionalizante, além de dar espaço para o início da carreira de trabalho. Contudo, há algumas regras, dada a rotina do estudo regular que precisa ser completada pelo aprendiz.

Assim, a jornada de trabalho é limitada a 6 horas por dia para menores de 18 anos, podendo ser ampliada para 8 ao atingir a maioridade.

A rotina de trabalho também é diferenciada, pois o formato técnico-profissional coloca como responsabilidade da empresa a matrícula do jovem em instituição habilitada. Dos dias de expediente, um é reservado para o curso técnico.

Crie empregos para Jovem Aprendiz

Criar caminhos para que os jovens optem por não abandonar a escola e nem se submeter a situações abusivas e nocivas de trabalho é o principal ponto do programa. Contudo, há mais desdobramentos positivos que resultam dele.

Incentivos fiscais

Alguns encargos trabalhistas com o aprendiz são menores do que com um trabalhador normal, como é o caso do FGTS que, ao contrário do formato padrão de 8%, para os funcionários sob o modelo técnico-profissional é reduzido a 2%, um incentivo para criar empregos para jovem aprendiz.

Obrigatoriedade legal

Médias e grandes empresas tem, por obrigação legal, o compromisso de preencher de 5% a 15% do quadro de funcionários com aprendizes. Quem determina a quantidade exata é o Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) a partir das secretarias locais que o representam.

Isso porque o percentual deve ser aplicado após análise das funções existentes e realidade das atividades, pois há perfis que são excluídos do cálculo, conforme previsto pela lei e portarias complementares. Assim, uma vez que o órgão é o responsável pela fiscalização, nada melhor do que estar de acordo com suas diretrizes para não correr riscos de punições futuras.

Trabalhar novos profissionais

Os adolescentes que conquistam uma das vagas de empregos para jovem aprendiz costumam estar passando pela primeira experiência profissional da vida. Com isso, a empresa tem a oportunidade de desenvolver aquele funcionário genuíno.

Procedimentos de trabalho, postura profissional, prática dos valores e missão corporativa são atividades corriqueiras no cotidiano de qualquer funcionário, mas que serão aprendidas e absorvidas do zero pelo aprendiz.

Ao enxergar o valor dessa oportunidade, as companhias podem desenvolver talentos e gerar mudanças profundas, tanto na vida dele quanto no desdobramento que causará na família desse adolescente, uma vez que a realidade de vulnerabilidade social para qual o programa foi desenvolvido têm resultados que excedem os limites da empresa.

Mas, para que as ações sejam possíveis e reais, é preciso ter os jovens na empresa.  A fim de conseguir contratar bons aprendizes é fundamental ter uma parceria experiente. Entidades sem fins lucrativos que oferecem curso profissionalizante costumam ter esse conhecimento, justamente por visar o ingresso de seus alunos no mercado de trabalho.

A partir de pesquisa, as empresas devem selecionar os institutos próximos mais reconhecidos e que tenham a área de formação de interesse da organização. Ao identificar e realizar o contato, o próximo passo é a realização de um processo seletivo.

E para aproveitar ao máximo a presença dos colaboradores iniciantes no dia a dia de trabalho da empresa, baixe o infográfico Programa Jovem Aprendiz: Cinco motivos para a sua empresa aderir, que enumera e detalha razões para gerar esses oportunidades!

Ramacrisna

Promovendo sonhos e transformando vidas.

LEIA TAMBÉM

Manual sobre a Lei da Aprendizagem!

VEJA AS VANTAGENS E BENEFÍCIOS
CLIQUE AQUI E CONHEÇA O FIA